Geração solar distribuída deve arrecadar R$ 25 bi

Divulgação

A busca por energias limpas é crescente e o setor fotovoltaico tem se destacado cada vez mais no mercado. Aliando economia e sustentabilidade, o sistema de geração distribuída prevê também uma contribuição considerável aos cofres públicos para os próximos anos, se forem mantidas as regras vigentes. De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), a geração solar distribuída deve arrecadar um saldo líquido de R$ 25,2 bilhões até 2027 para os governos estaduais e federal.

Com o Sistema Interligado Nacional (SIN), qualquer consumidor pode conectar sua geração própria ao sistema geral, e assim refletir em um maior desenvolvimento econômico, social, ambiental e estratégico no país. Residências, comércios e indústrias têm implementado de forma considerável o uso de energia solar. Segundo o presidente da Quantum Engenharia, Gilberto Vieira Filho, isso é reflexo do custo-benefício, “já que há uma diminuição de valor no investimento e a facilidade de linhas de financiamento com juros baixos para produtos desse segmento”.

Órgãos públicos também têm apostado na geração de energia própria. O Palácio 29 de Março, sede da Prefeitura de Curitiba (foto), inaugurou recentemente seu sistema de energia solar fotovoltaica, executado pela Quantum Engenharia e que deve resultar em até 50% de economia na conta de energia elétrica da instituição. O projeto possui capacidade total de 144,87 kWp, com 439 painéis instalados e foi contemplado por meio de chamada pública da Copel para o Programa de Eficiência Energética regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel. 

De acordo com o presidente da Quantum Engenharia, Gilberto Vieira Filho, “o uso de placas fotovoltaicas tem aumentado em órgãos públicos. Trata-se de uma forma de energia limpa e sustentável, que sinaliza a preocupação com o meio ambiente e também gera economia”. O payback, que é o tempo necessário para pagar o investimento com a economia na conta de energia, leva em média cinco anos. Ou seja, em 5 anos o valor do investimento no sistema é pago e, como os painéis fotovoltaicos duram pelo menos 25 anos, os outros 20 anos serão de economia. A previsão é de que, em 2024, mais 1,2 milhão de usuários tenham adaptado sua produção e consumo de energia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.