Plataforma de conteúdo

Foto: Crédito – Marcos Orsolon


Organizadores da EMO Hannover apresentam para a imprensa internacional detalhes da edição 2019 do maior evento mundial de metalurgia, que ocorre em setembro, na Alemanha. Feira promete ser uma grande vitrine de tendências, soluções e informações sobre a evolução da Indústria 4.0.


Reportagem: Claudia Orsolon e Marcos Orsolon, direto de Hannover


Nos dias 03 e 04 de julho, os responsáveis pela EMO Hannover organizaram o EMO Hannover 2019 Preview, um grande encontro para apresentar à mídia internacional os detalhes da 22ª edição da feira, que é o principal evento mundial da área de metalurgia e que este ano ocorre entre os dias 16 e 21 de setembro, na Alemanha.


A prévia adotou o mesmo tema da EMO Hannover desse ano – ‘Tecnologias inteligentes que impulsionam a produção de amanhã!’ – e enfatizou a importância da feira como plataforma de informações e conteúdos para mostrar o futuro da tecnologia de produção.


No primeiro dia do encontro, ocorreu a prévia da feira, organizada no pavilhão 19 do Hannover Exhibition Grounds, local que abriga as edições bianuais da EMO. A prévia reuniu mais de 200 pessoas, incluindo cerca de 80 profissionais da imprensa, vindos de 34 países. Do Brasil, apenas a Revista Potência marcou presença.


O EMO Hannover Preview é o principal evento de imprensa no período pré-feira. Ele é organizado para oferecer aos jornalistas acesso a uma gama interessante de expositores, uma ‘degustação’ do que será apresentado no evento, que indica, inclusive, as tendências tecnológicas e novidades em produtos e soluções.


Este ano, a prévia foi montada em duas partes. Uma delas foi a área de exposição, ocupada por 38 empresas fabricantes de máquinas, ferramentas, componentes e softwares, que tiveram a oportunidade de se apresentar à mídia internacional e destacar algumas das inovações que vão levar à feira em setembro. Entre os expositores estiveram companhias mundialmente conhecidas, como Siemens, Castrol, DMG Mori, Fischer Group, Heller, Igus, Liebherr, Trumpf e Vollmer.


A outra parte da prévia foi composta pelas apresentações no auditório, onde os organizadores deram detalhes sobre a edição 2019 da feira, falaram sobre tecnologia e responderam perguntas dos jornalistas. Essa parte foi complementada por apresentações criativas e rápidas das 38 empresas convidadas, que procuraram chamar a atenção para o que fazem e para o que vão expor na feira em setembro.

Degustação – 38 empresas apresentaram suas soluções na EMO Hannover 2019 Preview.


“Este ano, houve um grande interesse (por parte da imprensa internacional) na prévia da EMO e tivemos um programa variado em que os expositores deram uma visão geral concisa de suas inovações, que proporcionou um primeiro vislumbre dos novos desenvolvimentos que os visitantes poderão ver na EMO Hannover em setembro”, comentou Wilfried Schäfer, diretor-executivo da VDW (Associação Alemã dos Fabricantes de Máquinas-Ferramenta), em sua apresentação no evento.


O fabricante de máquinas-ferramenta DMG Mori, por exemplo, aproveitou a prévia para anunciar que vai usar a EMO desse ano para apresentar suas mais recentes inovações nos campos da digitalização integrada, automação e manufatura aditiva.

Foto: Divulgação – Marcos Orsolon

Estamos convencidos de que a EMO Hannover 2019 será um grande evento para a apresentação de novas ofertas e soluções para a manufatura inteligente. Wilfried Schäfer | diretor-executivo da VDW





Já a Siemens vai aproveitar a feira para apresentar novidades em sua carteira digital empresarial, com soluções para digitalização e integração de toda a cadeia de valor da indústria de máquinas-ferramenta. Com o Sinumerik ONE, por exemplo, a companhia vai mostrar o primeiro controlador de máquina-ferramenta “digital nativo”. O Sinumerik ONE possui hardware e software poderosos para criar um gêmeo digital que permite aos fabricantes de máquinas criar uma virtualização completa de seu desenvolvimento e processos de usinagem.


Dados da feira chamam a atenção

Os números, os temas abordados e o perfil das empresas expositoras ratificam a condição da EMO Hannover de principal feira mundial da área de metalurgia. Na etapa desse ano, mais de 2.100 empresas, de 47 países, vão expor na feira, ocupando uma área de 178.000 m².


Assim como em edições anteriores, estarão presentes empresas líderes de mercado em todas as áreas de tecnologia, como a DMG Mori, FFG, Mazak, Siemens, Grob, Doosan, Fanuc, Okuma, Makino, Index, GF Machining Solutions, Chiron, Trumpf, SLM, Stratasys, Paul Horn, Iscar , Sandvik e Kuka, entre outros.

Fonte: VDW

A quantidade de visitantes no evento, assim como o seu perfil altamente qualificado, diversificado e proveniente de diversos países, também reforçam a grandeza da EMO. Em 2017, quando ocorreu a última edição, o evento atraiu cerca de 130.000 visitantes, sendo que quase metade veio de fora da Alemanha (de quase 160 países). Esses dados levam os organizadores a afirmar que a EMO Hannover é a única plataforma verdadeiramente internacional para o setor de usinagem de metais.

Fonte: VDW


O perfil qualificado e o grande número de visitantes têm levado os expositores, há anos, a escolher a EMO Hannover como palco principal para o lançamento de produtos e apresentação de soluções inovadoras. Como enfatizou Schäfer em sua apresentação, “a EMO é uma plataforma de inovação indiscutível para máquinas, soluções e serviços de usinagem”. Tanto que, na edição de 2017, 72% dos expositores levaram para a feira inovações desenvolvidas especialmente para a EMO. O executivo da VDW acredita que esse fenômeno deva se repetir em 2019.


A preocupação dos organizadores em fazer com que a EMO Hannover, edição após edição, aborde temas relacionados aos grandes desafios da indústria do Século XXI, fortalece o seu perfil inovador. Por isso é correto afirmar que um de seus principais focos é a disseminação de informação e orientação. Fato que explica o seu lema em 2019: “Tecnologias inteligentes que impulsionam a produção de amanhã!”.


Segundo Schäfer, nesse contexto, o que é decisivo para as fábricas inteligentes é a rede abrangente de pessoas, fábricas e processos de negócios ao longo de toda a cadeia de valor. Ele explica, ainda, que o trabalho em rede na indústria está ganhando impulso rapidamente, principalmente porque hoje é possível o processamento de grandes volumes de dados.


De outro lado, está cada vez mais claro que as tecnologias inteligentes são a chave para se atingir níveis mais elevados de produtividade, qualidade e flexibilidade. Portanto, estes são os objetivos clássicos para novos desenvolvimentos na tecnologia de produção. Sem contar que a digitalização e a adoção de redes inteligentes na indústria também facilitam funções como o monitoramento de processos e a manutenção preditiva, que dão um salto relevante com máquinas de autoaprendizagem baseadas em dados inteligentes e análise de dados. Eles criam a base para novos modelos de negócios, como a economia de plataforma, permitindo que clientes e provedores alcancem um novo e elevado nível de eficiência. Mas qual a importância da EMO nesse cenário?


De acordo com os organizadores, o evento tem se mantido alinhado à evolução tecnológica, oferecendo informações sobre os mais recentes desenvolvimentos entre fornecedores de todo o mundo, e também sobre tendências em automação, eficiência energética, segurança no trabalho, novos processos de fabricação e materiais. Sem contar a orientação no desenvolvimento de novos modelos de negócios e oportunidades de cooperação com startups, assegurando a necessidade de trabalhadores qualificados ou recrutamento de pessoal júnior.


“A prioridade de quase todos os expositores da feira é oferecer novas soluções criativas. Novos conceitos da Indústria 4.0 estão surgindo em todas as áreas: para máquinas, componentes, controles, sistemas de medição e fluxos de materiais. E estamos convencidos de que o EMO Hannover 2019 será um hotspot para novas ofertas e soluções para a fábrica inteligente”, afirma Schäfer, citando alguns setores que compõem a feira desse ano, como a Área de exposição exclusiva para IoT na produção; Área especial Indústria 4.0; Fórum de tendências da Indústria 4.0; Umati (linguagem comum para a Indústria 4.0); Espaço da Manufatura Aditiva; Competição de Startups e os Pavilhões de China e Taiwan.


Tecnologia em pauta

Além dos expositores convidados, que mostraram um pouco do que vão apresentar na EMO em setembro, a prévia contou com uma palestra do Dr. Anselm Blocher, do Departamento de Pesquisas Cognitivas do Centro Alemão de Pesquisa em Inteligência Artificial (DFKI).


Blocher abordou o tema ‘Inteligência Artificial na Indústria 4.0: Obstáculos e oportunidades na produção real’. O especialista lembrou que o termo Indústria 4.0 surgiu por volta de 2010 e que em 2018 mais de 80.000 papers já haviam sido publicados sobre o tema.

Foto: Marcos Orsolon

A Indústria 4.0 não é só para companhias de grande porte. Ao contrário, há grandes oportunidades para empresas menores. Basta elas saberem aproveitar. Anselm Blocher | Departamento de Pesquisas Cognitivas do Centro Alemão de Pesquisa em Inteligência Artificial (DFKI).


Além disso, ele ressaltou que, hoje, mais de 140 bilhões de euros são investidos por ano na Europa em pesquisa e desenvolvimento nessa área, fato que explica o forte avanço no setor. Avanço que passa pela aplicação cada vez mais comum da inteligência artificial nos processos produtivos.


Segundo Blocher, nesse contexto a primeira onda (tecnológica) envolveu o maior uso de Internet e Nuvem para captar e armazenar os dados. A segunda vai um pouco além, com a compreensão e uso dos dados coletados através de soluções que embarcam inteligência artificial e machine learning. “Não basta apenas coletar e armazenar informações para obter resultados positivos. É preciso ter inteligência para lidar com os dados coletados”.


O especialista advertiu ainda que nesse processo de digitalização as empresas precisam, antes de qualquer ação ou investimento, identificar em que nível de evolução se encontram hoje no que tange à Indústria 4.0 e em que patamar desejam chegar. Isso para não desperdiçarem nem tempo e nem dinheiro. O importante é a empresa entender que talvez ela não precise de todas as soluções inovadoras para incrementar seu negócio. O fundamental é que ela invista nas tecnologias certas, que de fato a ajudem a elevar o nível de produção a um patamar mais alto e eficiente.


“O importante na Indústria 4.0 é a empresa entender onde ela está nesse processo. E isso vale para empresas de todos os portes. Porque a Indústria 4.0 não é só para companhias de grande porte. Ao contrário, há grandes oportunidades para empresas menores. Basta elas saberem aproveitar”, completa Blocher.


Para exemplificar que a tecnologia é para todos, o especialista deu alguns exemplos de aplicação da inteligência artificial. “Na economia alemã, por exemplo, a inteligência artificial tem transformado produtos premium em produtos e serviços inteligentes. Isso já ocorre nos veículos autônomos, em equipamentos médicos, maquinário agrícola, eletrodomésticos e nos equipamentos de manufatura usados pelas indústrias”, destaca Blocher, que afirma que a evolução é contínua e não tem volta. Ela já tem impacto na vida de pessoas e empresas e vai continuar mudando a forma de produzirmos, consumirmos, nos deslocarmos etc.


Visita ao Instituto de Engenharia

O segundo dia da prévia da EMO Hannover foi uma verdadeira imersão no mundo da tecnologia. Isso porque o grupo de jornalistas foi convidado a visitar as instalações do Instituto de Engenharia de Produção e Máquinas-­Ferramenta (IFW), da Leibniz Universität Hannover


O professor Doutor Berend Denkena deu as boas-vindas aos convidados e fez um apanhado geral da instituição. Ele disse, por exemplo, que hoje a universidade abriga cerca de 29 mil estudantes, dos quais, 4 mil pertencem à faculdade de engenharia mecânica, se dedicando a áreas como: design e engenharia; energia e processos de engenharia, e engenharia de produção e logística.

Foto: Divulgação


Mídia internacional Jornalistas de 34 países participaram da EMO Hannover Preview 2019.


O professor destacou ainda que, para promover seus estudos em inovação, a faculdade conta com um corpo de cerca de 260 pesquisadores, laboratórios e uma grande quantidade de máquinas-ferramenta de alta qualidade e última geração, onde há aplicação real dos desenvolvimentos.


A segunda e última apresentação do dia ficou a cargo do Dr. Marc-André Dittrich, que falou sobre os recentes avanços das máquinas-ferramenta autônomas. O especialista explicou que a produção autônoma exige que “tudo esteja conectado”. E que o caminho para se chegar à produção autônoma passa por vários estágios, sendo que alguns já foram ultrapassados. No estágio inicial havia apenas o trabalhador, sem nenhum tipo de sistema ativo. Em seguida começaram a aparecer os processos de monitoramento. Depois surgiu a automação da produção, com avanços nos sistemas de controle. Recentemente caminhamos para a produção semiautônoma, com avanços significativos nos ganhos produtivos e eficiência.

Foto: Divugação


Eficiência
A produção industrial está mudando e o desenvolvimento de máquinas-ferramenta autônomas é um passo fundamental nesse processo de transformação.

Até que chegamos à produção completamente autônoma, que usa o que há de mais avançado em termos de tecnologia, como Internet das Coisas, inteligência artificial e machine learning. Essa última etapa evolutiva ainda está em desenvolvimento, inclusive nas pesquisas que, hoje, são desenvolvidas pelo IFW. O objetivo do Instituto, aliás, é concluir nos próximos anos a sua primeira máquina-ferramenta autônoma.


O esforço do Instituto em avançar nessa questão não ocorre em vão. Como observou o Dr. Dittrich, a produção está mudando e as máquinas-ferramenta autônomas são elementos fundamentais nessa transformação. A tendência é que, em vez de produzir mais dos mesmos produtos, no futuro serão necessárias quantidades menores de produtos individuais. Por isso os sistemas de produção precisam ser mais flexíveis e adaptáveis​.


A produção de hoje, com máquinas-­ferramenta customizadas e especializadas, é, muitas vezes, incapaz de conseguir essa flexibilidade. Como resultado, são necessários sistemas autônomos que fornecem automação mais flexível e mais liberdade de produção, mantendo, ao mesmo tempo, alta produtividade e robustez, independentemente do tamanho do lote. Depois da apresentação do Dr. Dittrich, os convidados foram divididos em grupos para conhecer, in loco, cinco das pesquisas desenvolvidas pelo IFW: Inteligência Artificial para Monitoramento de Processos; Digitalização e Automação no Processo de Reparo de Pás de Turbinas; Máquina-Ferramenta Sensorial e Gêmeo Digital para Produção Autônoma; Realidade Aumentada para Controle de Qualidade, e Processo de usinagem inteligente.


Serviço
EMO Hannover 2019
Data: 16 a 21 de setembro
Segunda a sexta das 09h00 às 18h00
Sábado das 9h00 às 16h00
Informações: www.emo-hannover.de/home

Um comentário em “Plataforma de conteúdo

  • agosto 29, 2019 em 9:22 am
    Permalink

    Realmente é inexorável que os meios de produção e serviço no mundo serão dominados pela inteligência artificial. Desde a disseminação da sua utilização nas residências e transitando sobretudo no 1º, 2º e 3º setores. Aumento da eficiência e da eficácia da forma de produzir e se fazer uso da transformação do recursos naturais que, alguns dos quais, estão em franca exaustão. Dois setores que podemos destacar: Aumento da eficiência energética e ampla utilização das energias renováveis, com destaca da eólica, solar e, de forma complementar, os bicombustíveis, as energias das ondas e das marés, células combustíveis etc. As novas gerações e a natureza ficarão agradecidas.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.