Dicas sobre instalações elétricas para home offices

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que o número de profissionais que trabalham no próprio domicílio representava 4% da população economicamente ativa em 2011, ou seja, 4,1 milhões de pessoas. Especialmente nas grandes cidades, onde o tempo gasto no trânsito tem se elevado significativamente e se busca maior produtividade, profissionais de várias áreas vêm se aproveitando das novidades tecnológicas que facilitam o trabalho remoto e optando por levar o escritório para casa.

No entanto, esta ideia exige alguns cuidados com as instalações elétricas, uma vez que o uso de equipamentos eletroeletrônicos se intensifica e possíveis panes podem prejudicar o trabalho. Atenta a essa realidade, a SIL, fabricante de fios e cabos destinados às instalações elétricas com tensões até 1kV (baixa tensão), dá algumas dicas de como tornar um home office mais seguro e, consequentemente, mais eficiente.

Segundo a companhia, é preciso, antes de nada, fazer um levantamento, com profissional habilitado, das condições do sistema elétrico da residência, para que não haja sobrecargas. A revisão deve incluir desde o quadro de energia até as tomadas, passando por fiação e dispositivos complementares, como DR e DPS, que evitam choques e incêndios, elevando a proteção a pessoas e equipamentos.

“É o caso dos disjuntores, que protegem a instalação elétrica e a desliga se houver uma sobrecarga ou curto circuito; o DR, dispositivo diferencial residual, que desliga a energia elétrica caso haja fuga de energia; e o DPS, dispositivo de proteção contra surto de energia. O DR e o DPS são instalados no quadro de distribuição de energia, junto com os disjuntores”, explica Nelson Volyk, Gerente de Engenharia e Qualidade da SIL.

Por questões de segurança, é preciso, ainda, verificar se o número de tomadas instaladas no ambiente é suficiente para atender às necessidades do profissional, como computador, impressora, telefone, televisor, DVD, equipamentos de comunicação, entre outros aparelhos de trabalho. Este aspecto é relevante, tendo em vista que não é recomendada a utilização de extensões ou benjamins, que favorecem a sobrecarga e os danos aos aparelhos.

Caso seja necessária a instalação de novas tomadas ou a execução de reparos nas instalações elétricas, é fundamental que sejam adquiridos produtos de qualidade, em conformidade com as normas de fabricação. “Marcas confiáveis não apenas oferecem mais segurança, como contribuem para a economia de energia elétrica”, afirma Volyk.

A contratação de eletricistas especializados é tão importante quanto atender às definições da norma NBR 5410 de “Instalações Elétricas de Baixa Tensão”. Para que os requisitos técnicos desta norma sejam atendidos, é necessário que haja um projeto elétrico que especifique adequadamente os condutores, disjuntores e tomadas a serem utilizados, que também devem ser certificados pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.