Instalação elétrica ao tempo: atenção redobrada

O que fazer para proteger os equipamentos que ficam do lado de fora, submetidos ao sol, chuva, poluição, poeira, ações de vandalismo…

A necessidade de tomadas externas, campainhas, portões eletrônicos, bombas para poços, sistemas de iluminação, entre outros equipamentos, faz com que a fiação alcance pátios, quintais, garagens, jardins e outras áreas descobertas, onde o ambiente externo exige certos cuidados para que a instalação elétrica se mantenha segura e durável. Portanto, o profissional eletricista deve fazer um bom planejamento para determinar as influências externas mais importantes sobre determinada área e então definir a melhor infraestrutura e os materiais adequados à instalação. A classificação das influências externas sobre uma instalação de baixa tensão deve ser realizada na fase de projeto elétrico, sendo fundamental para a correta seleção e utilização dos componentes e para a garantia de segurança e funcionamento da instalação. Conforme o item 4.2.6 da NBR 5410 – Instalações Elétricas de Baixa Tensão, cada condição de influência externa é designada por um código que compreende sempre um conjunto de duas letras maiúsculas e um número, como descrito a seguir:

➧ Primeira letra indica a categoria geral da influência externa:

A = meio ambiente

B = utilização

C = construção das edificações

➧ Segunda letra (A, B, C, …) indica a natureza da influência externa

➧ Número (1, 2, 3, …) indica a classe de cada influência externa

Em geral, quanto maior o número, mais severa é a intensidade de determinada influência externa. Muito usados nas instalações ao tempo, os invólucros dos equipamentos elétricos são classificados por graus de proteção, definidos pela norma NBR IEC 60529. A representação do grau de proteção é feita pelas letras IP, seguidas usualmente por dois algarismos, sendo o primeiro relativo à proteção contra a penetração de objetos sólidos e acesso às partes vivas e o segundo, relativo à proteção contra a penetração de líquidos.

Recomendações para instalações ao tempo

Em qualquer situação, o primeiro cuidado quando se trata de uma instalação ao tempo é a escolha dos equipamentos. Devido à presença de chuva, por exemplo, equipamentos como caixas de tomadas e luminárias, que não são específicas para uso externo, apresentarão infiltração, podendo ocasionar corrosão e oxidação dos componentes ou curto-circuito. Portanto, verifique se o equipamento adquirido possui grau de proteção adequado ao ambiente, resistindo à entrada de poeiras, insetos e projeção de água. Preste atenção para escolher invólucros que tenham grau de proteção IP 44 ou superior.

Em instalações elétricas ao tempo, emendas e conexões são mais vulneráveis a problemas de corrosão do que em instalações internas. Portanto, leve isso em consideração na escolha dos tipos de produtos e técnicas de instalação que vai utilizar. O uso de conectores apropriados para uso ao tempo, assim como proteger as conexões por meio de fitas e luvas isolantes adequadas são exemplos de boas práticas nesses casos.

Circuitos que alimentam áreas externas devem contar com a proteção de dispositivos DR (diferencial- -residual) instalados no quadro de distribuição. A instalação do DR não desobriga a instalação do condutor de proteção, que também deve fazer parte do circuito. Ao instalar a tubulação aparente, em muros, por exemplo, dê preferência a eletrodutos que apresentam elevado grau de proteção contra choques mecânicos.

Veja a seguir algumas dicas sobre as instalações elétricas ao tempo. As fontes consultadas foram Cristiano Benvindo, da Sanhidrel Cimax Engenharia, e Hilton Moreno, diretor da HMNews Editora.

➤ Quais os produtos e/ou dispositivos que devem ser considerados numa instalação elétrica ao tempo, seja ela residencial, comercial ou industrial?

Alguns deles: interruptores e tomadas; fios e cabos; quadros elétricos; invólucros, caixas, motores (no caso de portão automático e bombas); campainhas; dispositivos de iluminação.

➤ Quais os principais fatores que podem atingir a parte externa de uma instalação elétrica?

São eles: raios UV (sol), água (chuva), umidade, variação de temperatura (contração e dilatação térmica), poluição, poeira, salinidade (litoral), além de fatores físicos como vandalismo.

➤ O que deve ser previsto para a proteção da instalação contra as ações da chuva e do sol?

Os equipamentos e componentes da instalação elétrica devem ser providos dos seguintes tipos de proteção para o uso em ambientes externos:

➧ Utilização de componentes com nível de vedação elevado (grau de proteção adequado) para evitar a entrada de água e umidade nos dispositivos elétricos.

➧ Utilização de materiais com resistência aos raios UV quando expostos permanentemente ao sol.

PROTEÇÃO CONTRA INTEMPÉRIES
Os invólucros dos equipamentos elétricos são classificados por graus de proteção, definidos pela norma NBR IEC 60529.

➤ Como deve ser feita a proteção dos usuários contra choques elétricos? Quais os produtos responsáveis por essa função numa instalação? O que não pode faltar?

A precondição de proteção básica deve ser assegurada por isolação das partes vivas e/ou pelo uso de barreiras ou invólucros. Para instalações de iluminações próximas a áreas como piscinas, espelhos d’águas, fontes, a alimentação deverá ser em extra baixa tensão. Deve-se também aplicar o dispositivo DR (diferencial residual), que protege as pessoas e os animais contra os efeitos dos choques elétricos, por contato direto ou indireto, causado por fuga de corrente, detectando- -a e desligando o circuito imediatamente.

➤ Onde achar ou comprar esses produtos de proteção?

Os produtos, na maioria dos casos, são encontrados nos principais centros varejistas de construção civil e em lojas especializadas em produtos elétricos de acesso ao público varejista.

➤ O que deve ser previsto para a conservação da instalação frente às ações do tempo (sol, água, poluição, poeira, etc.)?

Optar por equipamentos que recebam tratamento galvanizado a fogo e em casos extremos, utilizar material de aço inoxidável.

➤ O que deve ser usado para valorizar a estética e priorizar a praticidade na instalação externa (uso de canaletas, quadros, tampas, etc.)?

Além da aplicação dos invólucros, tampas e coberturas, de forma a garantir o grau de proteção, é recomendável o uso de etiquetas de identificação e pinturas diferenciadas das infraestruturas, de acordo com cada tipo de instalação.

➤ Quais os erros mais comuns e recorrentes verificados na parte externa de uma instalação elétrica?

Muitas vezes nos deparamos com situações extremas de negligência em relação à fiação elétrica exposta, o que torna a instalação vulnerável a possíveis acidentes e danos elétricos. Mas, o mais comum é a aplicação de produtos ou componentes não adequados para instalação em ambientes externos, muitas vezes, por desconhecimento ou até mesmo por falha de projeto da instalação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.