Confira 9 dicas fundamentais para qualquer reforma de instalação elétrica

No último sábado (20/07/2019), o prof. Hilton Moreno esteve mais uma vez no programa É de Casa da Tv Globo. Dessa vez ele abordou os principais pontos a serem observados ao se fazer uma reforma na instalação elétrica da edificação.

As dicas abaixo são fundamentais para se evitar alguns problemas com a instalações como choques em pessoas e animais domésticos, aumento do gasto de energia por mês, mau funcionamento dos equipamentos eletroeletrônicos, dentre outros.

Na reforma de uma instalação elétrica devem ser observados os seguintes pontos:

  1. Os componentes da instalação elétrica, como interruptores e tomadas, que tiverem em torno de 10 anos de vida (esse número não é exato, só uma estimativa prática), devem ser trocados por novos produtos. Isso porque o desgaste natural dos produtos por causa do envelhecimento faz com que eles aqueçam mais quando estão em funcionamento, o que acarreta um aumento no gasto de energia da casa;

  2. As bitolas dos fios e cabos elétricos devem ser cuidadosamente dimensionadas para levar em consideração as cargas previstas a serem utilizadas, assim como o comprimento dos circuitos. Bitolas de cabos elétricos inferiores às corretas levam a perdas de energia e, consequentemente, ao aumento no gasto com a conta de luz;

  3. Os conduítes ou canaletas utilizadas para a passagem de fios e cabos elétricos não devem estar “entupidos” com muitos cabos, facilitando assim a ventilação interna e a consequente redução nas perdas de energia, que implicam em redução do consumo no final do mês;

  4. Deve ser evitada ao máximo a realização de emendas ao longo do comprimento do cabo, pois elas são pontos naturais de aquecimento e fugas de corrente elétrica, o que aumenta o gasto de energia. Além disso, podem ser pontos perigosos em relação aos choques elétricos;

  5. Deve ser prevista uma quantidade generosa de tomadas que permita atender todas as necessidades da casa sem precisar fazer uso de benjamins (tês) ou extensões. Isso porque estes produtos contribuem para o aumento do consumo de energia da casa;

  6. O quadro de luz deve estar em local ventilado e deve possuir tamanho adequado de modo que haja espaços vazios dentro dele. Com isso o aquecimento no interior do quadro fica em níveis adequados, evitando a sobrecarga dos componentes internos e a consequente redução nas perdas de energia, que implicam em redução do consumo no final do mês;

  7. Sempre que possível, devem ser instalados dispositivos que permitam o controle automática do consumo de energia elétrica, como variadores de luminosidade (dimmers), sensores de presença, fotocélulas, termostatos, temporizadores, etc. Tais produtos são encontrados em versões relativamente baratas e, com seu uso, podem ser obtidas reduções importantes na conta de luz ao final do mês;

  8. Deve ser prevista a troca de lâmpadas antigas por lâmpadas LED, muito mais eficientes;

  9. Quando possível e mediante estudo, pode-se aproveitar a reforma para fazer a instalação de um sistema de geração fotovoltaica. Colocam-se placas solares que geram eletricidade para alimentar todos os equipamentos eletroeletrônicos ou uma parte deles durante o dia, que são alimentados pela distribuidora de energia local durante a noite. A economia gerada ao final de cada mês relativa ao que se deixou de pagar na conta de luz vai se somando mês a mês e, ao final de algum tempo, foi suficiente para pagar o investimento no sistema fotovoltaico. A partir desse momento, a economia gerada é transferida diretamente para o bolso do consumidor.

Para assistir ao vídeo da participação do prof. no programa, clique na imagem abaixo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.