Energia solar em alta no país

Durante os meses de junho e julho, a Greener, empresa de pesquisa de mercado na área de energia solar, entrevistou mais de 1.800 empresas integradoras, distribuidores de equipamentos e cerca de 650 proprietários de sistemas fotovoltaicos (pessoas jurídicas), que contribuíram para a elaboração do Estudo Estratégico de Geração Distribuída do Mercado Fotovoltaico de 2021.

Os resultados da pesquisa apontam franca aceleração do setor. “Basta analisarmos o volume de módulos fotovoltaicos para atender as Grandes Usinas Solares e a Geração Distribuída durante o primeiro semestre de 2021, que chegou a 4,86 GW, superando o volume importado durante todo o ano de 2020, 4,76 GW. E mais: do total de 2021, cerca de 66% da potência importada corresponde às tecnologias mono e poli PERC. Já o volume de inversores importados em 2021 atingiu 4,54 GW, um aumento expressivo de 80% em relação ao mesmo período do ano anterior. Esses números mostram claramente o aquecimento e a atratividade do setor”, comenta Marcio Takata (foto), diretor da Greener.

Marcio Takata
Diretor da Greener

O estudo apurou também os preços dos kits fotovoltaicos, que se mantiveram estáveis em relação a janeiro de 2021, mesmo com o aumento do preço dos módulos. A Greener estima que esse aumento foi compensado pela ampliação do volume de produtos com ex-tarifário e a ampliação da participação de inversores com custo mais baixo.

Ainda de acordo com a pesquisa, o Brasil atingiu 532 mil unidades consumidoras com GDFV conectadas à rede até junho deste ano, um crescimento de 40% em relação a dezembro de 2020. Um total de 689 mil UCs receberam créditos de energia, com crescimento de 46% em relação ao final do ano passado. A proporção de UCs recebedoras de crédito através de geração remota vem se ampliando, passando de 1,16 em 2017 para 1,30 em 2021.

Outro dado apontado na pesquisa foi em relação à forma de pagamento dos sistemas: 54% das vendas efetuadas em 2021 pelos integradores entrevistados foram realizadas via financiamento bancário. “Em 2017, esse percentual era de 16%, o que mostra o grande avanço no acesso às linhas de financiamento para o setor ao longo dos anos”, destaca Takata.

Os integradores também se mostraram otimistas em relação às vendas para o segundo semestre deste ano. Um percentual de 42% deles espera vender até 100 kWp até o final do ano, 36%, entre 100 e 500 kWp, e 10% espera atingir um volume de venda acima de 1 MWp até dezembro.

A Greener também acompanhou o mercado de Geração Distribuída sob a esfera do consumidor final (pessoa jurídica), entrevistando 650 empresas de diferentes portes e segmentos que instalaram sistemas fotovoltaicos em todas as regiões do Brasil. O segmento de varejo, com destaque para os supermercados e postos de combustíveis, representou 38% das instalações, seguido pelo segmento de serviços com 35% das instalações comerciais. Vale ressaltar a relevância das micro e pequenas empresas. Esse perfil de consumidores demandou 76% das instalações comerciais. “As pequenas empresas enxergam o valor que a energia solar traz para seu negócio, combinando redução de custos a uma geração renovável”. Identificamos, na pesquisa, que 52% desses consumidores têm sistemas com porte entre 10 kWp e 49,9 kWp, em geral com geração no próprio local, sem deixar de mencionar o importante avanço das unidades que se beneficiam da geração solar de forma remota”, conclui Takata.

Um comentário em “Energia solar em alta no país

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.