Nova subestação de energia

A nova subestação de energia da Usina São Paulo, antiga Usina de Traição, deve entrar em funcionamento ainda neste semestre oferecendo mais confiabilidade no fornecimento de energia. As obras, que estão sendo realizadas pela Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE), foram iniciadas em maio do ano passado com investimento de R$ 40 milhões.

Mais moderna em relação à Estação Transformadora de Usina (ETU) já existente, a nova subestação está sendo construída no conceito de GIS (subestação isolada a gás) e contará com transformadores isolados a óleo vegetal, material ambientalmente mais sustentável e compacto. Como ocupará uma área menor do que a atual, o espaço periférico da usina será utilizado para os projetos do programa “Novo Rio Pinheiros”, que prevê a despoluição do rio e a revitalização do seu entorno até 2022.

“Precisamos modernizar nossos equipamentos para garantir menor impacto ambiental, maior produtividade e mais segurança às equipes de operação e manutenção da usina”, explica o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido.

Já o presidente da EMAE, Marcio Rea, destaca que “a nova subestação faz parte de um grande programa de modernização de equipamentos da empresa e mostra o seu compromisso com a qualidade dos serviços que presta à sociedade”.

O contrato para o fornecimento, instalação e implantação da subestação compacta a gás na Usina São Paulo foi assinado em 5 de maio do ano passado na Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente. O consórcio que implementa a obra é o TSEA Energia/HERSA.

Funcionamento – A subestação funciona levando energia para movimentar as bombas da Usina São Paulo, que bombeia as águas do trecho inferior do rio, compreendido entre a Estrutura de Retiro, que fica na confluência com o Rio Tietê, e a própria usina para o trecho superior, que vai da usina São Paulo até a Usina elevatória de Pedreira, junto ao reservatório Billings. Atualmente as operações de bombeamento ocorrem em períodos de chuvas para evitar o transbordamento do rio Pinheiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.