Grupos geradores asseguram conservação de vacinas

A crise hídrica e o temor de um apagão no segundo semestre de 2021, em meio à pandemia de Covid-19, fizeram disparar a procura por grupos geradores de energia que garantam autonomia energética e assegurem a disponibilidade do sistema de geração de energia, principalmente a empresas e prestadoras de serviços essenciais.

No caso do setor de Saúde, os equipamentos possibilitam a refrigeração e o armazenamento dos frascos de vacina, mantendo sua potência e eficácia. Os imunobiológicos são termolábeis e exigem temperaturas entre 2ºC e 8 ºC.
Com a queda ou falta de energia, a estabilidade de uma vacina pode ser afetada, inativando as substâncias e, consequentemente, deixando de produzir efeitos. Nesse sentido, é indiscutível a importância de contar com um sistema de geração de energia seguro e autônomo, capaz de garantir energia 24h, sem interrupção.

Créditos: Shutterstock

Com o aumento da demanda por grupos geradores, no entanto, a preocupação hoje é com a escassez de insumos, que a indústria em geral vem sofrendo. “A falta de semicondutores, que afeta a fabricação de insumos essenciais para o grupo gerador, é um desafio a ser vencido”, explica Valdo Marques, Vice-Presidente Executivo da Stemac, maior especialista nacional na fabricação e comercialização de grupos geradores.

Para isso, a empresa montou um plano de contingência com a cadeia de fornecedores e trabalha em conjunto os maiores players mundiais para não deixar o problema chegar até o mercado brasileiro, mantendo capacidade de entrega garantida para este ano.

Movidos a diesel ou a gás, os equipamentos da Stemac entram como “back-up” no fornecimento de energia. “A demanda já mostrava tendência de alta, associada às necessidades de reforço das operações em setores que não pararam durante a pandemia, como hospitais, indústria alimentícia e data centers. Mas a busca por geradores se intensificou recentemente, num movimento semelhante ao assistido na crise energética de 2001”, destaca Marques.
Com organização própria distribuída estrategicamente em 24 estados, a empresa oferece acompanhamento integral em projeto, fabricação, instalação, peças e serviços. E mantém parcerias internacionais que garantem a qualidade e a permanente atualização tecnológica dos seus produtos.

A fábrica da Stemac em Goiás tem uma capacidade produtiva de 15 mil unidades por ano e hoje opera com folga, com uma média de 3.500 grupos geradores vendidos por ano.

A companhia também fechou uma parceria com a Santander Financiamentos para oferecer às empresas correntistas ou não do banco a oportunidade de investimento sem comprometimento de caixa. São linhas de crédito fáceis e ágeis para atender à alta demanda por energia elétrica segura, e o benefício está disponível para todas as empresas com mais de um ano de vida, após análise de crédito.

Com taxas especiais, carência de 180 dias para novos contratos e condições melhores para correntistas do banco, além de prazo de até 60 meses para pagar, o financiamento pode ser contratado via web, de forma 100% segura, e sem burocracia.

Como escolher o melhor grupo gerador de energia?

Segundo o executivo da Stemac, é essencial que o comprador se certifique de que as características do produto, a potência, o local e os detalhes da instalação estão claros e corretos tecnicamente. Também é importante avaliar se o preço final inclui itens como impostos, local de entrega, carga a ser atendida, equivalência técnica, garantia etc.

“Escolha uma empresa confiável para manter tudo funcionando e lembre-se que essa parceria é de longo prazo. Portanto, avalie cuidadosamente a estrutura de assistência técnica da companhia. Confie em equipes próprias que possam atendê-lo em qualquer dia e hora e que disponha de um call center 24 horas, sete dias por semana, para apoio técnico e possível solução por telefone”, orienta Marques.

Em relação à potência do grupo gerador, é necessário observar a tensão de trabalho, relação de transformadores existentes, relação de cargas a serem atendidas pelo equipamento, medições na entrada/saída de energia e contas de energia da concessionária.

O VP da Stemac afirma que é importante observar, ainda, itens como a existência de cargas súbitas ou deformantes. “As medições deverão ser realizadas no horário de previsão de funcionamento do grupo gerador, se possível com a carga real em atividade, e considerar a intenção de ampliações futuras e possível incremento de demanda”, finaliza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.