Produção de aquecedores solares cresceu 28% em 2021

A produção brasileira de aquecedores solares em 2021 somou 1,81 milhão de metros quadrados, significando aumento de 28% em relação a 2020. “Nos últimos 25 anos, chegamos à marca de 21 milhões de metros quadrados instalados”, revela Luiz Antonio dos Santos Pinto, presidente da Abrasol (Associação Brasileira de Energia Solar Térmica). Ele explica que o avanço é importante, pois a tecnologia, integralmente brasileira, substitui com eficácia os chuveiros elétricos, responsáveis por cerca de 7% de toda a energia consumida no País e 37% do consumo de eletricidade das famílias.

Créditos: Shutterstock

Quanto aos reservatórios térmicos que compõem os aquecedores solares, foram comercializados 201.398 unidades em 2021. Os de baixa pressão equivaleram a 64% do total, com 128.895 unidades. Os de alta pressão representaram 36%, com um total de 72.503.

Em termos regionais, o Sudeste foi o mais representativo, com 54% das vendas. Em seguida, vêm o Sul (26%), Centro-Oeste (9%), Nordeste (8%) e Norte (3%). O maior crescimento na comparação com 2020 registrou-se no Sul, com 19%. Com relação à distribuição das vendas nos segmentos de mercado, o setor mais significativo foi o residencial (76%), seguido pelo comercial (14%), industrial (4%), serviços (5%) e projetos sociais (1%).

O expressivo crescimento na instalação dos aquecedores solares de água no ano passado decorre, segundo Luiz Antonio, de três fatores principais: com o home office, as pessoas investiram mais em suas casas, e os equipamentos fizeram parte disso; aumento dos investimentos em construção civil; e crise energética, com o consequente aumento das contas de luz.

O presidente da Abrasol acredita que em 2022 o crescimento será de no mínimo 30%, estimulado pela continuidade dos investimentos dos brasileiros em suas residências, maior conhecimento sobre os benefícios do aquecimento solar, mais investimento do governo em projetos sociais, contemplando o uso da tecnologia, bem como sua aplicação no setor industrial e os programas de eficiência energética, pesquisa e desenvolvimento desenvolvidos pela ANEEL e concessionárias de eletricidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.